Guiné-Bissau

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
●Guiné-Abissal
●Guiné-Bilau
●Reino Unido da Guiné

Bandeira da Guiné-Bissau.png Brasao da Guiné-Bissau.png
Bandeira Brasão
Lema: Unidade, Guerra Civil e Progresso
Hino: Fora Salazar!!
LocationGuinea.png
Capital Brasília Lisboa Bissau
Maior cidade Inferno
Língua Português Brasileiro
Tipo de Governo Estado da Guiné
Governador Salazar
Heróis Nacionais Amilcar Cabral, neto pobre de Pedro Álvares Cabral
Independência Dependente da Guiné
Moeda Real, balas de iogurte e pedras
Religião Infernismo
População 170.000.000 em ação
Área 245 857 Km2 (1% de água)
Analfabetismo 200%
PIB per Capita Números Insignificantes USD/hab.
IDH 0.Beirando Zero
Fuso Horário ... Tá na hora de brincar
Clima Abissal Infernal
Site do Governo Procure por Inferno no Google


Guiné-Bissau é um protetorado do Império Armamentista da Guiné e luta em prol dos planos de dominação mundial de sua metrópole. Note que até em nível colonial a Guiné (colonizada pela França) é superior a Guiné-Bissau (que foi colonizada pela porcaria de Portugal).

História[editar]

Período pré-colonial[editar]

Nada.

Colonização[editar]

Pessoas no ponto do ônibus de Guiné Bissau

O território da Guiné-Bissau sempre foi de muito pouco interesse para a humanidade, tanto que quem o colonizou foram os encéfalos portugueses. Durante a partilha da África, países como Inglaterra e França ficaram com o filé, enquanto Portugal ficou os pedaços de terra inóspitos, inúteis ou hiper-problemáticos como a Guiné-Bissau e pouco fizeram por ele.

Independência[editar]

Quando Portugal viu que aquele território não teria futuro e a Guiné estava querendo aquele pedaço de merda para ela de qualquer jeito, foi cedido então a independência para o local que foi anexada pela Guiné.

Guiné-Bissau foi a primeira colônia portuguesa na África a conquistar a independência, graças ao Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde.

Fusão com Cabo Verde[editar]

Batizaram o local então de Guiné-Abissal e povoaram o local com homens realmente fodões que sobrevivem em qualquer lugar fudido.

A Guiné-Abissal faz uma terrível fronte contra qualquer inimigo do Império da Guiné. Para o local eram mandados o exército de Guiné para treinar em condições extremas.

Guerra Civil[editar]

Após tentativa frustrada de golpe militar, os líderes da PAIGC decidiram começar uma guerra civil usando armas de paintball contra o pessoal da PRS para passar o tempo que estava um tédio tremendo, aproveitaram e disfarçaram a fome.

Fatos recentes[editar]

Kumba Ialá torna-se em 2000 o único presidente não-PAISG a ser eleito e por isso é assassinado quando insistiu ficar no poder. Na falta de gente assumiu Vieira do PAISG.

Depois de décadas de ditadura de João Bernardo Nino Vieira, ele foi derrubado em 1998 e substituído por uma junta. Até que 7 anos mais tarde, foram as urnas, e quem elegeram? Nino Vieira! Provando que são masoquistas e tem memória curta.

Geografia[editar]

O país tem sorte de possuir uma costa marítima, pois situa-se no meio do deserto, recebe sol 18 horas por dia, é muito quente, mais quente que o Rio Grande do Norte e Mato Grosso juntos, razão de seu nome Guiné-Abissal.

Subdivisões[editar]


Política[editar]

A Guiné-Abissal possui um parlamento pré-definido pelo seu mestre Esqueleto rival do He-Man. Normalmente, a escolha dos membros se dá pela via democrática, numa disputa de par ou ímpar. O presidente, por sua vez, é, impreterivelmente, o homem com maior contundência do país. Motumbo Lopes da Silva Vieira ocupa este cargo desde 1974. Já o primeiro-ministro é escolhido numa partida de truco valendo o toba, contra o presidente. Quem perder mais vezes, ganha.

O partido único do país é o PAIGC cujo nome representa toda falta de modernidade da Guiné-Abissal, já que a sigla significa "Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde", ou seja, eles acham que estão lutando pela independência junto com Cabo Verde até hoje.

Como qualquer país africano que se preze, claro, a Guiné-Abissal conta com inúmeros golpes de estado que ocorrem desde a independência em 1973. O último foi em 2012 e os militares ainda estão discutindo se vão intervir novamente

Flag-map Guiné-Bissau.png Guiné-Bissau
HistóriaPolíticaSubdivisõesGeografia
EconomiaCulturaTurismo


Salve mãe África, mano!
África
v d e h

Países: África do Sul | Angola | Argélia | Benim | Botswana | Burkina Faso | Burundi | Cabo Verde | Camarões | Chade | Comores | Congo | Costa do Marfim | Djibouti | Egito | Eritreia | Eswatini | Etiópia | Gabão | Gâmbia | Gana | Guiné | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Lesoto | Libéria | Líbia | Madagascar | Malawi | Mali | Marrocos | Maurício | Mauritânia | Moçambique | Namíbia | Níger | Nigéria | Quênia | República Centro-Africana | República Democrática do Congo | Ruanda | São Tomé e Príncipe | Senegal | Serra Leoa | Seychelles | Somália | Sudão | Sudão do Sul | Tanzânia | Togo | Tunísia | Uganda | Zâmbia | Zimbabwe

Territórios: Canárias | Ceuta | Galmudug | Mayotte | Melilla | Reunião | Saara Ocidental | Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha | Somalilândia


Bandeira da CPLP
Conjunto dos Patetas de Língua Presa (CPLP)
v d e h

Países membros: Angola | Brasil | Cabo Verde | Dadrá e Nagar-Aveli | Damão e Diu | Goa | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Macau | Maurício | Moçambique | Portugal | São Tomé e Príncipe | Timor-Leste

Intrometidos: Andorra | Croácia | Filipinas | Galiza | Indonésia | Malaca | Marrocos | Romênia | Ucrânia | Venezuela