Frescurite Aguda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Frescurite aguda)
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.


Crazyhorse.gif Atenção! Este artigo fala sobre BURRICES!

Não leve nada daqui a sério, ou você corre o risco de
se tornar tão burro e lerdo quanto o criador dessa joça.

Ou as burrices podem te morder.

Patrick.gif
A frescura já está até patenteada!!

Cquote1.png Ai! Uma barata!! Ui, uma barata!!! Uma barata enooooorrme!! Tira esse treco daqui!!! Cquote2.png
Fresco sobre Apocalipse
Cquote1.png Eu compro as frutas e depois lavo com detergente e água sanitária. Detesto língua... coisa horrorosa, arghh... Cquote2.png
Fresco sobre Hábitos alimentares
Cquote1.png Não como, não como, não como!!! Cquote2.png
Fresco sobre Jiló
Cquote1.png Não como, não como, não como!!! Cquote2.png
Fresco sobre Mulher
Cquote1.png Não vai tomar o seu leitinho, meu anjo? Cquote2.png
Vovó sobre Fresco
Cquote1.png Não vai tomar o seu leitinho, meu anjo? Cquote2.png
Alexandre Frota sobre Fresco

Dedinhos de borracha para iPhone: o cúmulo da frescura!!
Solução para frescurite aguda decorrente da criação pela vovó

A FRESCURITE AGUDA é uma síndrome que afeta de 8 entre 10 frescos e 12 entre 10 gurias retardadas. Tem origem quase que totalmente genética, sendo normalmente presente em pessoas que possuam um par de 24 cromossomos, mas pode ser contraída também por má criação ou pela criação pela vovó. Caracteriza-se por ser uma aversão injustificada por alguma coisa, por isso mesmo podendo ser incluída no grupo das fobias.

Tipologia[editar]

Beba fresca!!
  • Síndrome do Temor Anfíbio: o ser sofredor de uma frescurite aguda desse tipo jamais passará pela rua se houver um temível sapo no seu caminho. Temeroso de que o sapo o atinja com seu poderoso ataque mortal de leite assassino, o fresco poderá se recusar até mesmo a ficar a menos de 10 km do apocalíptico anfíbio. Segundo reza a lenda dos frescos, houve casos de sapos que atacaram impiedosamente seres humanos, imobilizando-os com suas patas ferozes e estraçalhando-os com sua mortífera língua insetífoga.
  • Síndrome da Haste do Ônibus: mais comum entre gurias retardadas metidas a riquinhas, caracteriza-se pelo temor em pôr a mão na haste de cima do ônibus, onde os passageiros se apoiam para não cair. Frescos desse tipo têm medo de contrair alguma doença terminal (como a pobreza) segurando nas hastes amelecadas do ônibus; por isso vão preferir mil vezes ir de táxi para casa, pagando 10 vezes mais, ou esperar pelo próximo buzu -que, entretanto, nunca vem menos lotado...
  • Síndrome da Boiolagem Adquirida: por incrível que pareça, não estamos falando, aqui, de boiolas de fato e sim de boiolas de direito; afinal, nem todo boiola é um fresco, mas todo fresco tem tendências boiolísticas. A Síndrome da Boiolagem Adquirida ataca principalmente meninos e meninas que tenham sido criados assistindo programas como Rebelde, filmes como Harry Potter, lendo livros da Zíbia Gasparetto, comprando produtos da High School Musical e da Hello Kitty ou ouvindo músicas do Fresno.
  • Síndrome do Vídeo-Gay-Me: certos frescos foram tão intoxicados por ingestão contínua de leite de minhápica que acabaram reestruturando completamente seu sistema endócrino, substituindo a testosterona pelo estrogênio. Devido a isso, acabam por sentir aversão a determinados comportamentos de homens machos, como o gosto por boceta por jogos de extrema violência ou de futebol, optando por jogos gays como o do Super Mario Bros e o do Mickey Mouse.
  • Síndrome do Vegetarianismo: o caso mais comum de frescurite aguda contemporânea. Frescos desse naipe defendem o consumo de mato em oposição ao consumo de carne ou até de qualquer outro produto de origem animal, pelos motivos comumente gays de nojo de sangue ou amor à vida dos bichinhos da floresta. Geralmente ataca aqueles que assistiram muita TV Colosso, Ursinhos Carinhosos e Muppet Babies na infância, tendo, por isso, o cérebro atrofiado. Seres frescos dessa natureza acham que vivem no mundo encantado da imaginação e ignoram totalmente o conceito de cadeia alimentar, considerando-o uma invenção capitalista "boba e feia".


Alimentação[editar]

Todo fresco tem o hábito de imitar seu ídolo (uma criatura tão ou mais afrescalhada do que ele), até mesmo na careta que faz ao cagar, quero dizer, evacuar (fresco não caga...). Um dos hábitos mais peculiares dos frescos é se dizer da geração saúde, uma invenção da Rede Globocó sustentada pelos rídiculos e inverossímeis personagens de Malhação. Portanto, todo fresco, frequentador assíduo dos Gygabites da vida, apenas vai beber açaí e comer alface, no café da manhã, no almoço e no jantar, embora essa dieta seja nutricionalmente insustentável (a menos que você seja uma mula ou uma vaca).


Gênero[editar]

Bidê: um ato de frescura!!

A Síndrome da Frescurite Aguda ataca, indistintamente, homens e mulheres, sem fazer distinção de gênero. Qualquer um pode ser um fresco, ter, segundo o vocabulário fresco, um "ataque de pelanca". Não obstante, essa síndrome tem uma peculiaridade em relação a outras: ela torna os afetados pela síndrome todos assexuados, como o boneco do Ken e da Barbie. De fato, se você ouvir um fresco ao telefone, vai ter dificuldades de identificar se se trata de um homem ou uma mulher -na verdade sendo um fresco, quer dizer, nenhum dos dois. Para resolver essa questão, os biólogos resolveram incluir os frescos no gênero emo, com alguns ainda preferindo os incluir no gênero feminino -embora isto seja controverso.


Personalidade[editar]

Frescos não apresentam personalidade. Ou, ao menos, não uma personalidade própria. As personalidades postiças dos frescos são todas importadas do EUA, mais especificamente de Berverly Hills ou Nova York, exatamente porque isso é muita frescura. Frescos têm uma forte preferência por patricinhas hollywoodianas, mas fortuitamente podem copiar se identicar com o jeito idiota de ser de celebridades suburbanas, como pseudo-atores/cantores adolescentes mexicanos.


ONG's[editar]

Todo fresco que se preze é filiado a alguma ONG (Organização dos Naturalmente Gays), porque, afinal, defender os direitos da pessoa humana (leia-se "bandidos") é uma atitude de frescura extremada. Mas de mais frescura ainda é defender o direito dos animais. Portanto, os frescos tinham uma tendência natural de se afiliar a organizações as mais hippies o possível, como o Greenpeace; hoje, entretanto, surgiram organizações mais afrescalhadas ainda, como a PETA, à qual os frescos de todo mundo têm dado preferência.


Religião[editar]

Quem é fresca é fresca até na tatuagem!!

Frescos geralmente seguem a religião modinha do ano, do mês, da semana, do dia... Na verdade, o fresco típico prefere seguir as doutrinas ultrasábias de qualquer livro de autoajuda, de preferência um do Paulo Coelho. Hábitos religiosos dos frescos incluem ainda assistir ao programa do Gasparetto, para entrar em contato com seu eu interior. Já outros frescos, mais sofisticados, optam por pseudo-religiões de verdade (!) como o Espiritismo ou qualquer outra religião (des)oriental, como o Budismo. Frescos menos adeptos de convicções definitivas simplesmente se transformam em mendigos vagabundos hippies e ficam vendendo suas bugigangas seus amuletos espirituais para salvar seus bolsos as pessoas da voracidade consumista do capitalismo.


Frescos Famosos[editar]

Ver também[editar]