Freelancer

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Freelancer é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, alguns tibianos matam uns ratos.

Cquote1.png Você quis dizer: EVE Online Cquote2.png
Google sobre Freelancer

Cquote1.png ... Cquote2.png
Doutor Roberto sobre Freelancer
Cquote1.png VAI DORMIR FILHO DA PUTA! Cquote2.png
Tua mãe sobre seu vício de gamer
Cquote1.png Na União Soviética, Cardamine trafica VOCÊ!!!!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Freelancer
Cquote1.png O que é essa porra? Cquote2.png
Gandhi sobre Freelancer
Cquote1.png O que é essa porra? Cquote2.png
Kimi Raikkonen sobre Freelancer
Cquote1.png Foi u cão qui botô nóis pra jogá! Cquote2.png
Jeremias sobre Freelancer
Cquote1.png Como faço pra matar aquelas navezinhas dos piratas Rogues? Cquote2.png
n00b sobre Freelancer
Cquote1.png Essa turminha do barulho aprontará poucas e boas por um universo sinistro em uma aventura com direito a muita confusão! Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Freelancer

Freelancer é mais uma criação da Micro$oft para saquear seu bolso. Projetado no Acre desde 1765, prometia inovações inovadoras totalmente inéditas e seria lançado em 1767. Porém, já que a Micro$oft tinha coisa melhor para fazer (?), a data de lançamento foi atrasada várias vezes, a verba para o café com leite e pão com margarina dos programadores foi cortada, e a preguiça de inovar com coisas totalmente novas acabou fazendo com que o jogo não ficasse tão emocionante assim.

O Jogo[editar]

A capa do jogo

Finalmente lançado em 2003, ou seja, um ano depois de 2002, ele foi um sucesso de vendas em vários países, como Sri Lanka, Vaticano, Islândia, Cu do Mundo, Valhalla, EUA e toda a Europa. Coisas como economia dinâmica foram cortadas do jogo, assim como 145% do conteúdo inovador, fazendo com que ele fosse uma bosta. Mas uma bosta viciante, porque até hoje existem milhares de fãs ao redor do mundo.

Características[editar]

Uma Rheinland Battleship... Epa, desde quando eles possuem battleships marrons?

Freelancer se caracteriza pelo seu extremo realismo, como um universo inteiramente plano (você pode ficar voando por 1h para baixo e não encontrará porra nenhuma), uma economia totalmente emocionante (você pode entupir uma estação que fica lá no Acre de fertilizantes e eles ainda pagarão o mesmo preço pelo produto, mesmo se ninguém se interessa pelo maldito fertilizante). Além disso, você em apenas meia hora cruza todo o universo, passando por dezenas de estrelas e planetas.

Coisas a aprender com o jogo[editar]

Graças aos nanobots e shield batteries, você pode aniquilar mais de oito mil formações sem precisar recarregar!
  • No espaço o fogo se propaga.
  • No espaço o som se propaga.
  • Que naves espaciais não usam combustivel.
  • Se você passar por uma nebulosa cheia de bolsas de oxigênio, sua nave não explode com a reação do fogo do motor com o oxigênio.
  • Nebulosas de matéria negra são inofensivas.
  • No futuro, os homens rebolam (WTF?)
  • No futuro não iremos dormir.
  • No futuro, a única droga que existirá é a Cardamine, um mato laranja que te deixa doidão.
  • O Universo é mais pequeno do que seu pinto. É mentira, nada é menor que isso.
  • Os planetas são incrivelmente pequenos. O mais populoso tem 550 milhões de infelizes morando.
  • Rotação e translação non eczistem!
  • A polícia teve treinamentos com o Capitão Nascimento. Policial no espaço não prende, mata!
  • No futuro, os homens rebolam ao andar.

História[editar]

Trent nunca troca de roupa. E também não se sente intimidado por ser o único a usar uma jaqueta marrom sempre.

Você é um loiro inglês (na verdade, é Bretonian) chamado Edison Trent cansado com sua vidinha tosca de tomar chá em um planeta poluído, e portanto sai procurando por qualquer coisa melhor do que aquilo. Meses depois, tá na mesma merda de sempre, mas descobre que um amigo estava ganhando muito dinheiro comprando e vendendo mafagafos espaciais. Então, ele entra no negócio. Sua primeira entrega é numa estação espacial longe pra caralho, e ele então vai até lá. Ao chegar lá, os mafagafos entram em motim e explodem a estação. Apenas Trent e o comprador sobreviveram, mas ambos agora não tinham porra nenhuma, já que tudo explodiu. Então, têm que começar do zero.

Trent, puto da vida por ter perdido tudo, resolve dar um especial de porrada no cara que ia comprar os mafagafos, mas o comprador entrega um vibrador rosa mágico para Trent. Afinal, Trent acha vibradores MARA. Trent aceita o presente e o comprador foge.

Semanas depois, Trent consegue um emprego com uma japinha (na verdade, é de Kusari; não existe Japão no futuro) chamada Jun'ko Zane que trabalha na polícia, porque ninguém queria contratar Trent . Então, logo surge a primeira missão de Joãozinho, que é a de escoltar umas naves de transporte. A primeira missão é chata porque você é noob e não sabe como que se joga. Depois disso a história continuam, mas eu não ficarei gastando meu tempo escrevendo todas as viadagens de Trent enquanto poderia estar com a minha namorada.

Só para não te deixar na curiosidade, sua tarefa é usar seu vibrador rosa mágico para salvar a humanidade contra uma invasão de alienígenas sodomizadores.

Mods[editar]

Uma típica formação de Rheinland. Detalhe 1: você nunca verá uma formação assim depois de zerar o jogo. Detalhe 2: as naves deles liberam sempre fogo verde, nunca roxo, amarelo ou cor de burro quando foge.

Freelancer, por ter sido malfeito, mas por ter potencial (isso se parece muito com a frase dita sobre tua mãe sobre você), acabou recebendo a atenção de modders ultranerds, que começaram a enfeitar o jogo. Alguns mods:

  • Discovery: adiciona um mol de sistemas sem sentido, armas inúteis e naves mais inúteis ainda. Até o garotinho que vende bala no semáforo tem uma nave fodona.
  • Crossfire: adiciona um mol de sistemas vazios, algumas armas e muitas naves que parecem ter sido projetadas no Paint. A maioria dos jogadores vivem na Europa, e estão pouco se fodendo para sua internet discada. Portanto, explodirão sua nave assim que você consiga algo que preste.
  • The Order Mod: feito pelo Lula, com seu dom especial para lógica e ortografia.
  • Plasmafire: garantia de convulsão e/ou sangramento nos olhos. Diversão garantida!
  • The n00b Modding Special Collection Ultra Master Gold Supreme: Todos os outros 192371283671873 mods que foram lançados, mas que na verdade ninguém joga de tão n00bs que são.

Locais[editar]

O jogo ERA para ter uma continuação, mas o Tio Bill resolveu deixar quieto.
  • Liberty: Os EUA do futuro. Localizados no centro do Universo, se acham os fodões, apesar de que ninguém precisa deles.
  • Bretonia: O Reino Unido no futuro. Já que o caminhão de lixo não passa a séculos por lá, aquele lugar tá sempre entupido de poluição. Nenhum plano de saúde garante sua estadia lá. Ou você morre pelas doenças respiratórias, ou você morre por causa de algum ataque terrorista separatista.
  • Kusari: O Japão. Continua isolado, estranho e mesmo assim legal. Tem água e combustível pra caramba por lá, mas metal para construir alguma coisa que preste não tem.
  • Rheinland: A Alemanha. Continua brigando com todo mundo, perde mais uma guerra e novamente está devendo até para mim.
  • Hispania: A nave que levava os colonos espanhóis foi feita com a arte milenar do POG, e por isso quebrou no meio do caminho. A discussão sobre quem trocaria os pneus acabou levando a tripulação a se separar, formando os dois maiores grupos de criminosos de Sirius (o nome daquela parte do Universo onde fica todo o jogo).
  • Border Worlds: Locais vazios. Apenas servem para minerar alguma coisa. Nenhum governo se interessa em dominar esses lugares.
  • Independent Worlds: Nem são independentes. São sistemas que não servem para porra nenhuma, e por isso ninguém os quer.
  • Edge Worlds: Fazendo divisa com o Acre, são locais onde os manos se juntam para quebrar tudo que veem pela frente.

Locais que deveriam existir[editar]

  • Gallia: A França do futuro. Serviria apenas para se render em caso de guerra e exportar croissant e francesas. Mas se fizer o download do Discovery mod, Você já a poderá ter:
  • Praetoria: Porque sem Itália a pizza sofreria uma crise existencial.
  • Amazonia: O Universo precisa dos brasileiros. Era ou Brasil ou Argentina. Porém, Amazonia sempre perderá finais de futebol para Gallia.

Coisas para se fazer no jogo[editar]

Típicos adversários maiores que você que você vai enfrentar.
  • Ser pirata e viver traficando, explodindo naves de corporações e correr pra caralho da polícia.
  • Ser policial. Você ganha uma mixaria para fazer um trabalho entediante.
  • Ser militar. É igual a ser policial, com a diferença que as armas e as naves são mais legais.
  • Ser mercenário. Assim todos te odeiam, fazendo o jogo parecer muito com a sua vida real.
  • Ser negociante. Carregar mercadorias para lá e para cá, ganhando apenas dinheiro, mas sem fazer nada interessante. Quando você estiver bem rico, um pirata aparecerá e explodirá sua nave.

Coisas legais para se fazer no jogo[editar]

Tumbleweed01.gif

Coisas legais para se fazer no jogo depois do Discovery mod[editar]

Tumbleweed01.gif


Ver também[editar]