Força Aérea Brasileira

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Hoe.jpg Passa a certeira! Perdeu, preibói!

Oxe, venha cá, este artigo da porra vem do Brasil! Só fala de futebol, come feijoada, exporta travestis, puxa o saco dos EUA, paga imposto pra caralho e põe a culpa no governo pela corrupção da sociedade.

14bis.jpg Este artigo é da Aeronáutica!

Cuidado: Força Aérea Brasileira pode bombardear sua casa se você vandalizar!

Clique aqui pra ver quem mais pode voar, voar, subir, subir...

Modernos caças da FAB.

Cquote1.png FORÇA AÉREA BRASILEIRA 70 anos sem atirar em nada que possa revidar. Cquote2.png
Lema da Força
Cquote1.png Eu tenho medo Cquote2.png
Regina Duarte sobre Força aérea
Cquote1.png Na união soviética a força aérea é atacada por você Cquote2.png
Reversal Russa sobre Força aérea
Cquote1.png Qual o poder de ataque da força aérea Vegeta Cquote2.png
Nappa sobre Força aérea
Cquote1.png É de mais de 8000 Cquote2.png
Vegeta respondendo

A Força Aérea Brasileira é toda aquela equipe de aviões armados que defendem a nossa pátria contra qualquer praga que invada os nossos ares.

História[editar]

O primeiro avião de combate as pragas de gafanhotos.

Durante a Primeira Guerra Mundial o Brasil queria se livrar de Pragas aéreas, só que naquele tempo não existia aviões modernos para guerra, só aqueles que Santos Dummont inventou para viajar à Paris, então tiveram que improvisar, daí então foram evoluindo e demorou séculos pra evoluir para finalmente se tornarem o que são hoje. Mas isso não foi tão rápido. Depois da Primeira Guerra Mundial e já na Segunda o Brasil ainda "temia" ataques de outras pragas aéreas inclusive o Japão, mas isso não nos deu medo porra nenhuma pois o Japão era Inimigo dos EUA. Mas aí é que tava o problema Como se livrar das pragas aéreas que poderiam vir depois Com inseticida? Então depois de mais de 8000 e algumas semanas de planejamento alguém que eu não sei quem é decidiu criar aviões para combater as pragas que poderiam vir. Só que naquele tempo ainda não tinham descoberto o querosene só o Motor que azar. Então o jeito foi mover os aviões na força como mostra a imagem ao Lado. Mas voltando a equipe, claro o esquadrão dos veículos aéreos não poderia ficar sem nome, Estava afundada então a Força Aérea Brasileira

Evolução[editar]

Pilotos da Força Aérea (nesse caso a Esquadrilha Abutre) voando pelos Céus. Aqui vemos eles em uma das missões mais importantes da Força: capturar um maldito pombo.

Durante várias décadas a Força Aérea ainda tentava conseguir um meio de fazer avião para combate de algumas pragas aéreas vivas, isso inclui Mosquitos, Moscas, Abelhas, Borboleta e etc.

Depois de muitos anos com muita burrice e experiência conseguiram então desenvolver um avião capaz de combater essas pragas aéreas vivas, estava criado então o primeiro avião capaz de combater as pragas, feito com massa DE chocolate e papel, estava inventado então o BIS o veículo aéreo que serviria para combate de pragas.

Passaram-se as décadas a os Veículos aéreos da FAB foram evoluindo cada vez mais, novos aviões novos e soldados, novas armas e novos produtos químicos.

Organização[editar]

Assim como o Exército e a Marinha a Força Aérea possui várias divisões, existem o pessoal da logística, da administração, que trabalha como enfermeiros, os mecânicos dos aviões, o pessoal que trabalha nas torres de controle aéreo dos aeroportos... mas vamos direto ao que interessa: o pessoal que vai nos combates quando explode uma guerra.

Esse pessoal é dividido em 2 grupos: o Quadro de Infantaria e o Quadro de Aviação.

A Infantaria da Aeronáutica é o pessoal que atua na terra firme, no chão, são iguais aves que não voam (todo mundo acha que voa mas não voa). Eles protegem as Bases Aéreas e os Aeroportos em tempos de paz e pegam em armas para batalhas terrestres durante as guerras – apesar de receberem treinamento de combate, os militares da Infantaria da Aeronáutica, diferente do pessoal do Exército ou dos Fuzileiros Navais da Marinha, têm função só de defesa mesmo.

Já o Quadro de Aviação, são os pilotos que pilotam (dã) os aviões militares do país. Para fazer parte desse grupo, é preciso ser no mínimo... no mínimo... tenente, e passar quatro anos na Academia da Força Aérea aprendendo a pilotar um avião.

Também existe a tropa de elite da Aeronaútica: o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS), mais conhecido como PARA-SAR ('PARA' de paraquedistas, 'SAR' do inglês search and rescue, "busca e salvamento"), é o Esquadrão que pula de para-quedas e realiza missões de operações especiais e de busca e resgate, sendo especialista em missões próximas ou atrás das linhas inimigas.

Hierarquia[editar]

Para subir de posto na hierarquia da Aeronáutica, o militar precisa ter bastante tempo de carreira (bastante mesmo), passar em várias provas e participar de diversos cursos realizados pela FAB (ou seja precisa ser crânio). Aqui vamos nos focar no pessoal que vai para a guerra (literalmente): o pessoal da Aviação e da Infantaria.

  • Soldado: São basicamente pé rapados que não possuem sequer o direito de pilotar um avião, aliás nem pilotar um avião eles sabem. O soldado é quem cuida da segurança das bases da Aeronáutica. Eles dificilmente vão em algum campo de batalha, geralmente os campos de batalha é que vão atrás deles, quando os inimigos tentam tomar alguma base aérea ou aeroporto. Eles são treinados para defender estes lugares, são seus guardiões. Soldados ingressam na Força Aérea apenas por meio do recrutamento obrigatório e se tiverem sorte viram cabos (e só isso mesmo).
  • Taifero: É um tipo de soldado que ajuda nos serviços de cozinha nas bases aéreas. Só isso mesmo de relevante. Obviamente não possuem direito de pilotar um avião.
  • Cabo: É um soldado melhorado. Eles lideram as esquadras, pequenas unidades formadas por um cabo (ele mesmo) e quatro soldados. Ou seja agora ele pode mandar em 4 soldados. Geralmente para um soldado virar cabo ele precisa fazer um exame de seleção interna. Ainda não podem pilotar aviões.
  • Sargentos: Para se tornar sargento da Aeronáutica, o indivíduo precisa ter menos de 24 (ui!) anos e o Ensino Médio completo. Eles realizam um curso que dura de dois anos ou 24 (ui!) semanas, dependendo da área de atuação dele. Eles geralmente possuem uma formação em alguma coisa e são os faz tudo da Força Aérea: alguns trabalham nas torres de controle de tráfego aéreo, outros com meteorologia, tem o pessoal da administração, o que mexe com cartografia, pessoal da medicina, pessoal das engenharias e por aí vai. Os sargentos podem, por meio de seleções internas, subirem de patente (mas é muito raro virarem brigadeiros). Eles também comandam os grupos de combate, que reúnem duas esquadras, ou seja eles mandam em dois cabos e em 8 soldados. E apesar de tudo isso, eles não tem direito de pilotar um avião.
  • Suboficial: É o sargento depois de muitos anos de serviço. Não é muito diferente dos subs da Marinha e do Exército: vive reclamando da vida e/ou se vangloriando de "feitos do passado" (leia-se: pegar vagabas em todas as cidades em que pousava... não exatamente feitos militares).
  • Tenente: Vamos nos focar em dois tipos de tenentes. O tenente da Aviação: ele pode pilotar aviões (aleluia finalmente alguém da Aeronáutica que pode voar pelos céus !!!). Mas para esse tenente poder pilotar, ele precisa fazer um curso de quatro anos na Academia da Força Aérea para aprender a voar exceto se explodir uma Estrela da Morte. E a Academia só aceita candidatos com Ensino Médio completo e com a idade mínima de 17 e a máxima de 21 anos de idade. Ou seja é uma faculdade (tem até vestibular para entrar). Depois da formatura, eles já saem do curso como tenentes, podendo mandar em sargentos antigões. O outro tipo de tenente é o tenente da Infantaria, geralmente é um tenente formado na Academia que optou em ficar no chão mesmo ou um antigo sargento ou sub que subiu de patente com muito suor e dedicação. Na Infantaria os tenentes chefiam pelotões: formados por três grupos de combate. Ou seja passa a mandar em três sargentos, seis cabos e 24 soldados.
  • Capitão: Na Infantaria da Aeronaútica o capitão lidera uma companhia (três tenentes, nove sargentos, 18 cabos e 72 soldados). Já no Quadro de Aviação, o capitão lidera uma esquadrilha, um pequeno grupo de quatro a oito aviões.
  • Major: O Major na Infantaria da Aeronáutica lidera os batalhões (180 a 450 militares; sim eu cansei de classificar). Na Aviação o Major lidera os esquadrões: várias esquadrilhas de aviões do mesmo tipo, por exemplo : caças.
  • Tenente-Coronel: Na Infantaria da Aeronáutica eles lideram batalhões especiais de infantaria, unidades estratégicas, que ficam nas regiões de fronteira. No Quadro de Aviação eles comandam os grupos, conjuntos de três ou quatros esquadras, que podem ser de aviões de tipos diferentes: um grupo de caças F-5 e Mirage, por exemplo.
  • Coronel: Na Infantaria é o militar da mais alta patente, ele é responsável pelo comando terrestre de toda a Infantaria. Quem quiser subir de patente e virar Brigadeiro, pode mudar para a Aviação, mas precisa estudar na Academia de Força Aérea. Como por lá só podem iniciar o curso pessoas com no máximo 20 anos de idade, os poucos aviadores que vêm da Infantaria são cabos ou soldados, postos em que a média de idade é baixa. Os Coronéis também são responsáveis pelas 19 bases aéreas do Brasil. Elas podem ser consideradas os “quartéis” da Aeronáutica.
  • Brigadeiro: Comandam uma das três Forças Aéreas (FAE) que compõem a Aeronáutica: uma cuida dos helicópteros, outra dos aviões de transporte e a terceira de aeronaves de ataque, como os caças. São um "doce" de pessoa só que não
  • Major-Brigadeiro: São os Responsáveis por um dos sete Comandos Aéreos Regionais do país, que juntos supervisionam todo o espaço aéreo do Brasil.
  • Tenente-Brigadeiro: É o chefe da porra toda. Supervisiona o Comando Geral do Ar, que reúne todas aeronaves de combate e decide as ações militares da Aeronáutica

Ver também[editar]