Elizabeth Báthory

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Elizabeth Bathory)
Ir para: navegação, pesquisa
PROCURADA

Elisabeth bathory.jpg


Elizabeth Báthory é procurada por graves crimes contra
a humanidade e é extremamente perigosa.

Procurada viva ou morta (de preferência morta).
Recompensa:1.000.000 de Florins Húngaros


Night creature.JPG Elizabeth Báthory surgiu das trevas!!

E à meia-noite vai levar a tua alma!

Puro osso.gif


Cquote1.png Faz meu tipo. Cquote2.png
Vlad III, o Empalador sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Hitler quem? Já ouviu falar da Condessa Báthory!? Cquote2.png
Sua professora de História sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Báthory é MARA!!! Cquote2.png
Seu Ladir sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Oh... Eu vejo... Ela é um dos Anticristos! Cquote2.png
Nostradamus sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Essa mulher é o Diabo em pessoa! Cquote2.png
Adolf Hitler sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Eu tenho medo! Cquote2.png
Diabo sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Facilitou muito meu trabalho... Cquote2.png
Ryukuu sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Nem quero vê!!! Cquote2.png
Stevie Wonder sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png O quê??? Que foi??? Cquote2.png
Beethoven sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Linda! Maravilhosa! Diva! Cquote2.png
Gótico sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Estamos dançando o "Thriller" no canto especial para pedófilos do Inferno! Cquote2.png
Michael Jackson sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Minha maior inspiração! Já ganhei muito dinheiro à custa dela! Cquote2.png
Dani Filth, Dimmu Borgir, Forever slave e mais uns 20 grupinhos gothicus-diabulicus sobre Elizabeth
Cquote1.png Minha inspiração! Oh, minha musa que inspira a minha obra! Cquote2.png
Charles Manson sobre Elizabeth Báthory
Cquote1.png Nossa madrinha querida! Que bom que agora estamos finalmente juntos! Cquote2.png
Bathory banda sobre Elizabeth Bathory
Cquote1.png Nossa filha... Nos superou! Ai, que orgulho! Ai, que não consigo conter-me! Cquote2.png
Lilith sobre sua primeira filha com Lúcifer

Elizabeth Báthory (Báthory Erzsébet no cartório e ainda com pseudônimos de Alžběta Báthoryová, Alžbeta Bátoriová, Elżbieta Batory. Não se deixe enganar) e alcunha de Senhora do Sangue, Dama da Decapitação ou Maluca Sádica foi uma condessa do Reino da Hungria, que levou o status de malignificiência ao máximo, sendo a reencarnação humana do Diabo, e seus atos deixaram até Lúcifer, Satã, Lilith e todos os demônios do Inferno com inveja!

Biografia[editar]

Nasceu em 10 de Agosto de 1560 em Nyírbátor, na Hungria, aqueles que nascem nessa data são amaldiçoados. Aqueles que nascem nessa data na Hungria são sacrificados. Seu pai era o guerreiro comunista George W. Bathory que havia matado 2400 árabes infiéis e sua mãe a vampira sádica ninfomaníaca, Anna Bathory ela tomava banho dizem que era com Sangue Humano dai a Expressão Banho De Sangue .

Infância[editar]

Elizabeth Báthory durante a infância saudável e alegre.

Elizabeth Báthory foi abençoada pelo Diabo e apadrinhada por Quetzalcóatl, nasceu numa lua cheia durante o alinhamento da Estrela Gama com Mercúrio e viria a se tornar a versão revés da Virgem Maria, no Satanismo.

A família Báthory era uma das mais influentes nobrezas da Europa com importantes padres e bispos amigos do Papa, ex-guerreiros e combatentes carnificinos e vampiros próximos de Conde Drácula. Báthory passou sua infância no Castelo de Ecsed, na fronteira entre a Hungria e a Romênia, por causa de sua natureza isolada, esse castelo era conhecido pelos seus cultos ocultistas e perversidades, em geral.

Desde sua infância, Elisabeth já demonstrava e honrava o seu título de Filha do Diabo. Certa vez quando ela tinha 9 anos um grupo de ciganos veio ao castelo de Ecsed para entreter e mendigar para a família Báthory, na meia noite daquele dia, Elizabeth fugiu de seu quarto, matou uma prima patricinha que odiava com profundos cortes no pescoço e requintes de crueldade, foi ao alojamento dos ciganos amarrou e amordaçou um jovem cigano (de uns 8 anos) foi ao estábulo, matou e cortou a barriga de um cavalo, colocou o pivete dentro do cavalo apenas com a cabeça de fora e costurou a barriga do cavalo no garoto e depois o jogou no rio. Na manhã do dia seguinte acusou um cigano de ter matado sua prima e a família daqueles ciganos foi condenada a morte.

Aos 10 anos de idade o castelo de Ecsed foi invadido por bárbaros que mataram e violentaram grande parte da população do palácio. Elizabeth e suas duas irmãs Anichka Báthory e Shandra Báthory fugiram para a floresta local, Elizabeth e suas irmãs se esconderam numa árvore. Quando uma patrulha de bárbaros assassinos rondou no local, Elizabeth chutou suas irmãs da árvore para elas serem pegas e vingar os abusos que sofreu nas mãos delas. Anichka e Shandra foram amordaçadas (Elizabeth previu isso) violentamente violentadas até a morte e Elizabeth assistiu de camarote, com pipoca a acompanhar, com uma risada diabólica silenciosa para não chamar a atenção dos bárbaros.

Juventude e Influências[editar]

Alguns dos instrumentos de trabalho da condessa.

Elizabeth era considerada a mulher mais bela da Hungria, ganhou inclusive a Miss Hungria de 1589, detalhe que os juízes do concurso de 1588 sumiram misteriosamente. Elizabeth também era podre de rica e usava roupas provocantes, ou seja, 90% dos homens sonhavam com Elisabeth Báthory (os outros 10% eram Gays) isso sem contar que ela era ninfomaníaca, porém também não negava umas ninfetinhas de vez em quando. Elizabeth também tinha um alto grau de cultura e etiqueta, ela sabia incrivelmente escrever em três línguas, a única pessoa no mundo que sabia isso (na altura).

Casou-se ainda adolescente com o Conde Ferencz Nadasdy em 1575, com quem supostamente teve quatro filhos, mas ele quase nunca estava em casa, pois fazia parte da legião estrangeira, o que leva a crer que ele foi é chifrado.

Elizabeth tinha uma tia de quem gostava muito, uma dama chamada Klara Báthory que era uma famosa lésbica ou bissexual da região, e dona de uma casa noturna especializada em orgias do gênero. Elizabeth começou a frequentar a casa de sua tia e pegou gosto pela orientação sexual. Klara Báthory também era famosa por praticar em público atos obscenos explícitos com seu irmão Stephan Báthory, um famoso boêmio das ruas de Budapeste.

O tio de Elizabeth, além de praticar incesto com sua tia, Klara Báthory era adepto a adoração de Satanás e ensinou esses caminhos para Elizabeth dando-lhe o seu primeiro batizado de sangue, sacrificando porcos e banhando-a com o sangue. Esse foi um momento marcante da vida de Elizabeth que começou a ganhar aí o gosto por se banhar em sangue.

Crescendo nesse tipo de ambiente, Elizabeth começou a achar que arrancar as tripas de pessoas vivas era coisa mais normal do mundo, e começou assim sua carreira. Construiu o Castelo de Sarvar, e como seu marido era um ausente Elizabeth passou a reinar no seu castelo.

Elizabeth Báthory[editar]

Um retrato do quarto de Elizabeth Báthory feito por uma serva que sobreviveu.

Sozinha em um castelo que significava praticamente o governo de um terço da Hungria, baixou um regimento interno em seu castelo para punir seus servos e servas. Entre as normas havia em especial decepação das mãos e morte por hipotermia seguida da serventia de seu sangue à mesa de jantar da Condessa, àqueles que executarem mal seu serviço. Lógico que volta e meia Elizabeth julgava serviços mal-feitos apenas para se divertir vendo inocentes sendo mortos lentamente.

Punia com remoção lenta e dolorosa dos intestinos quem derrubasse ou quebrasse qualquer utensílio do castelo, e o corpo era jogado aos porcos famintos, lógico que volta e meia Elizabeth quebrava algo para colocar a culpa em alguém e se divertir vendo inocentes sendo mortos lentamente. Naquela época, servos não tinham direitos, entre seus passatempos prediletos para com seus servos estava:

  • Cortar seus dedos;
  • Em modo geral, Elizabeth se divertia ao beber sangue humano;
  • Fazer pessoas nuas serem arrastadas no pátio de gelo;
  • Enxertar pedaços cadavéricos em pessoas vivas;
  • Cortar cabeças;
  • Arrancar a pele de pessoas vivas;
  • Castrar homens;
  • Queimar vaginas e pelos pubianos com tochas;
  • Atravessar pessoas com lâminas pontiagudas;
  • Costurar bocas e narizes;
  • Fazer pessoas morrerem de fome;
  • Dar socos;
  • Estuprar;
  • Ser estuprada;
  • Mergulhar rostos em óleo fervendo;
  • Abrir pessoas vivas;
  • Esmagar cabeças;
  • Sua tortura predileta era esmagar pessoas com um sifão hidráulico e se banhar com os fluidos que se esparramavam.


Elizabeth também era frequentadora assídua de bordéis e satisfazia suas necessidades bissexuais no bordel de sua tia Klara. Volta e meia sodomizava até a morte algumas raparigas das maneiras mais variadas possíveis.

A banheira de Elizabeth está pronta.

Elizabeth torturava principalmente mulheres jovens e virgens todas da mesma maneira e se deleitando igualmente. Nessa época Elizabeth começou a desenvolver traços de necrofilia.

O marido de Elizabeth morreu de tuberculose em 1604 e foi a partir de então que a mulher virou o Diabo pois não precisava disfarçar seu sadismo mais para ninguém e também não precisava mais esconder as traições a seu marido.

Desde então Elizabeth ficou mais sádica e cruel, inventou a tortura de inverno onde banhava seus servos nus com água fria para morrerem de hipotermia e também a tortura de primavera onde banhava seus servos com mel, para serem devorados vivos por insetos. Gostava também de marcar seus servos com ferro quente para saber a quantidade de sofrimento que tinha infligido. Elizabeth passou a gostar de gritos de dor, lágrimas de sofrimento e de sangue espirrando.


Banho de Sangue[editar]

Elizabeth Bárthory em seu banho diário em sangue humano.

Elizabeth Báthory ficou marcada pelo seu bizarro e carnificino ritual matinal de tomar banho com o sangue e vísceras humanas de meninas virgens, para fins cosméticos e de deleite psicológico. Ganhou essa mania quando viu uma velha, que julgou horrorosa, e a matou afogando-a num rio.

Preocupada em ficar velha e feia igual àquela velha, no mesmo dia, enquanto torturava lentamente uma prostituta, notou que as regiões de seu corpo aonde o sangue tinha respingado parecia rejuvelhecer, foi então que tomar banho em sangue se tornou rotina para a Condessa. O ritual de Elizabeth acontecia pela manhã, onde ela amarrava algum servo azarado de cabeça para baixo sobre sua banheira e cortava sua garganta para assim tomar banho.

Elizabeth montou um grupo para conseguir manter sempre em dia seus rituais macabros satânicos e as torturas até a morte que fazia. Se casou com Anna Darvulia, uma bruxa (daquelas com caldeirão e tudo) que era igualmente sádica e bissexual, em seu grupo demoníaco também integravam:

  • Ficzko, um jovem autista que Elizabeth poupou por gostar de praticar pedofilia macabra;
  • Dorothea Szentos (Dorka) uma feiticeira assassina e especialista em técnicas de matar/torturar/fazer o mal em geral;
  • Helena Jo, que supostamente cuidava dos filhos da condessa;
  • Katarina Beneczky, uma donzela que já há muito não era virgem (não dava para os rituais de beleza da Condessa) e que só servia para limpar o sangue em locais que era mais conveniente disfarçar esses traços, como o meio da rua.


O relato a seguir retirado do diário oficial do palácio no ano de 1598 descreve como o grupo agia:

Cquote1.png (...) Uma rapariga de 12 anos chamada Pola conseguiu escapar do castelo, mas Dorka, com auxílio de Helena Jo, apanhou a assustada garota de surpresa e levou-a à força para o castelo de Csejthe. A Condessa recebeu a rapariga no seu retorno. Estava furiosa. Avançou para a rapariga e forçou-a a entrar numa espécie de jaula, construída com a forma de uma grande bola, demasiado estreita para ser possível a pessoa sentar-se e demasiado baixa para se poder permanecer em pé. Uma vez colocada a rapariga lá dentro a jaula era erguida por uma roldana e dezenas de espigões ressaltaram de dentro dela. Pola tentou não ser apanhada pelos espigões, mas Ficzko manuseou as cordas de modo a que a jaula oscilasse para os lados. A carne de Pola ficou desfeita. Elizabeth Báthory por sua vez sentada em seu trono abaixo da redoma se banhou com os pedaços da garota... Cquote2.png


Elizabeth gostava de aventura e se aborrecia muito depressa. Trocou de esposa, cegou Anna e a jogou num calabouço e se uniu a Erzsi Majorova, uma viúva satanista.

Diz-se por aí que às vezes, as torturas que a condessa infligia às suas servas eram tão intenças, que o chão do castelo ficava totalmente insopado de sangue, sendo até possivel que as suas quatro pestes(filhos) tivessem aprendido a nadar nessas mesmas poças de sangue. Certa vez, Elizabeth devorou uma de suas criadas crua e viva. Em outra ocasião ordenou que seus criados lançassem raparigas mortas e estupradas das muralhas do castelo para um sítio descampado onde existiam lobos vorazes.

Prisão e Julgamento[editar]

Barbie edição Elizabeth Báthory.

A população dos arredores do castelo de Elizabeth começava a diminuir. Elizabeth a cada dia que passava ia ficando cada vez mais insana, logo foi ficando também descuidada e passou a não assassinar secretamente mais os nobres e não-servos, deixando seus corpos jogados pela rua e passou a recusar-se a fazer enterros cristãos para suas vítimas, preferindo profanar seus corpos.

Por causa de tal descuido a Santíssima Igreja e a Guarda Real Húngara levaram Elizabeth Báthory em custódia, sem contar que os guardas deram voz de flagrante quando pegaram Elizabeth estuprando e matando lentamente a filha de um nobre da região.

Elizabeth foi julgada pela suprema corte da ONU entre os dias 2 e 7 de Janeiro de 1611. Até então havia matado 650 pessoas (ou seriam antes 666), lesado permanentemente e gravemente outras 1.786 pessoas e abusado de outras 3.544 pessoas. Esses números derivam de uma lista que a própria Condessa detinha, como triunfo das suas obras. E cre-se que os números reais tendem a ser o triplo do descrito, o que faz dela uma das maiores assassinas de todos os tempos.

Elizabeth foi julgada a pena de prisão domiciliar perpétua.

Quanto aos cúmplices monstruosos...

  • Apesar de ser só um pobre menino autista abusado cruelmente, Ficzko foi castrado, decapitado e depois cozinhado e servido ao jantar dos cães do rei Matias;
  • Dorka, a bruxa, foi lentamente cortada aos pedacinhos por onze longas horas até que morreu por emorragia grave;
  • Helena Jo teve o mesmo destino que a coleguinha de cima, também foi obrigada a sentir seus dez dedos dos pés serem cortados... depois os pés sendo cortados... depois a vez das mãos... por aí...
  • Erzsi Majorova essa sim foi simplesmente cozinhada viva, pois apesar de tudo, os homens presentes no julgamento a odiavam por ela ter tranzado inúmeras vezes com a bela condessa e eles não;
  • Katarina, como era amante de 5 dos juíses presentes, teve sua vida poupada!

Morte[editar]

ReaperlogoDare.gif Elizabeth Báthory já morreu!

Gostava muito dele, mas sabia demais...

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno


Elizabeth Báthory foi condenada a ficar presa até à sua morte no seu quarto, completamente revestido a tijolos, obrigando-a ao silêncio e à escuridão até ao fim dos seus dias, com apenas uma pequena brecha para passar comida e água. Nunca ninguém entrava naquele quarto, não havia sangue para Elizabeth tomar banho e nem pedaços de cadáver aos quais limpar o seu corpo.

Entediada, Elizabeth bateu com a cabeça contra a parede, vezes e vezes sem conta, e se suicidou. Morreu aos 54 anos e já foi tarde!

Atualmente, Elizabeth ainda é Condessa e está junto ao seu pai, o Diabo e junto de sua mãe, a vampira ninfomaníaca Lilith, nos fins do Inferno, onde se diverte jogando cartas com Adolf Hitler e Stalin, ainda que seja mais ruim do que os dois juntos. Ainda é a dirigente das tertúlias infernais da Tortura, onde se juntam os maiores assassinos da História para debaterem a obra que fizeram em vida. Pertence ainda ao grupo dos Nove Demônios e durante o 1 de Maio, na véspera do Dia de São Jorge, ela regressa à Terra para atormentar os vivos, ao serviço de seu pai.

Lista de Acusações[editar]

Quadro original de Elizabeth Báthory em tom rubro por causa das altas quantidades de sangue nele espirrado.

A Suprema Corte Marcial Húngara de Direitos Humanos condenou Elizabeth Báthory a 760 anos de prisão seguida de pena de morte e cumprimento de trabalhos comunitários por 50 anos por crimes gravíssimos contra a humanidade:

  • Ocultação de Cadáver;
  • Homicídio Doloso;
  • Homicídio Triplamente Qualificado;
  • Formação de Quadrilha;
  • Genocídio Doloso;
  • Induzimento, instigação e auxílio a suicídio;
  • Infanticídio seguido de morte;
  • Lesão Corporal Grave seguido de morte;
  • Tortura Medieval Lenta até a morte;
  • Crime contra a humanidade;
  • Omissão de Socorro;
  • Moléstia grave até a morte;
  • Perigo de contágio venéreo;
  • Extorsão Mediante Sequestro seguido de morte;
  • Estupro seguido de morte;
  • Pedofilia;
  • Aliciamento de Menores;
  • Abuso de Incapazes;
  • Rufianismo;
  • Atentado Violento ao Pudor;
  • Pedofilia seguida de morte.


Legado[editar]

No entanto, sua carreira criminosa deixou um legado: séculos mais tarde, no Rio de Janeiro (cidade), uma prostituta chamada Bárbara dos Prazeres seguiu seu estilo sanguinolento, banhando-se em e bebendo litros e litros de sangue fresco. Houve quem dissesse tratar-se de sua reencarnação, mas o fato foi negado pelo parapsicoperito Chico Xavier.

Ver Também[editar]

Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Elizabeth Báthory no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg



Estatua Atila - Hungria.jpg
Este artigo veio da Hungria!!!

Este artigo é magiar. Ele mora numa Budapeste, visita a Héviz Spa, come Gulash, resistiu aos Hunos e tenta se aparecer para os demais europeus.

Não estrague este artigo, senão Genserico irá invadir sua casa.