Coturno

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gothar.jpg Este artigo foi possuído e agora é seguidor do Arquiduque das Trevas e Imperador do Mal,
Lord Göthar Tenebrian
.

Vamos desejar e admirar o Profeta Tenebrian!

Cquote1.png Louvem-me, aceitem o Goticismo!!! Cquote2.png

10 anos atrás era considerado ridículo para estas góticas

O coturno é a bota que o soldado usa para tudo. Item indispensável do traje militar oficial, que também é usado por encanadores e bombeiros (que em alguns estados do Brasil é a mesma coisa), que pode ser usado para qualquer coisa. Alguns soldados inclusive namoravam os coturnos na falta de mulher nas guerras. A fabricação do coturno tem início com a martelagem de uma vaca até que esta adquira o formato e consistência pretendidos. Terminado esse processo, o coturno é embebido em petróleo e levado ao forno por 20 minutos.

Goticoturno[editar]

No passado o coturno era usado apenas pelos militares. Nesta época todo mundo achava esta bota ridícula, inclusive as góticas patricinhas. De repente, um sujeito conhecido como Edward Mãos de Tesoura, gótico e gay, começou a usar as botas militares, mas com umas adaptações de metal, para ficar mais dark (e gay, diga-se de passagem). Alguma gótica gostou da ideia (antes ela achava isto ridículo) e começou a usar botas militares também. Outra gótica gostou e usou também e no fim das contas, todos os góticos estavam usando coturnos, que não eram bem coturnos, e sim goticoturnos. Estas mesmas góticas colocaram saltos no coturno, que deixou de ser um coturno. Mas não confunda, coturno mesmo apenas os militares usam.

Cquote1.png Elas traíram o movimento coturno, véio Cquote2.png
Dado Dolabella sobre góticas que enfeitam seu coturnos, que não deveriam ser enfeitados

Coturno militar[editar]

Junto com o capacete e a arma, o coturno é o item primordial para os soldados de verdade

Representação[editar]

Original. Recuse imitações. Não pode faltar no vestuário do soldado de verdade. O coturno representa para os militares o que o bisturi representa para os cirurgiões, o que a banana representa para o macaco, o que a vassoura representa para a bruxa (e para o Capitão Nascimento), o que o espanador representa para a empregada gostosa, o que o paralelepípedo representa para o paralelepipetizador, o que a bomba representa para o terrorista, o que o desentupidor representa para o encanador, o que a broxa representa para o pintor, o que a picareta representa para o garimpeiro... Bem, chega de encher linguiça, já é o bastante por hoje.

Utilidade[editar]

Resistente a tudo, o coturno é a maior proteção que o soldado pode ter. Há uma frase no exército: O soldado pode sair de casa sem suas armas, sem sua camuflagem, sem seu capacete, sem seus galhos na cabeça (no capacete) e sem sua mochila, mas nunca deve sair de casa sem o coturno. Na guerra, o coturno é usado tanto como ataque (chutes no inimigo) tanto como defesa (chutar uma granada pra bem longe). Por ser feito do couro do pescoço do boi-bumbá africano, o coturno, se não sofrer nenhum atentado, por resistir milhares de anos até a hora de sua decomposição. Fora isto, o coturno é apenas uma bota.

Upgrades[editar]

Com o tempo de uso quase que ininterrupto, o bom soldado vai fazendo upgrades em seus coturnos, a maioria prefere, por motivos de praticidade, criar neles colônias de bactérias e fungos, transformando-o em uma arma biológica e química, que geralmente só atinge os aliados, no momento em que são retirados dos pés. Há também a possibilidade de sabotar coturnos inimigos (ou amigos, dependendo da ocasião) com a colocação de fezes humanas, geralmente do próprio sabotador na sua parte externa ou até mesmo no interior.

Ver também[editar]