Carmelita Jeter

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Caramelinha Jetson
Carmelita Jeter.png
Carmelita Jeter pronta para colocar seu dildo grossão na boca
Nascimento 24 de novembro de 1979
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos - Los Angeles
Ocupação corredora

Carmelita Jeter, ex-namorada de Will Smith conforme observamos no seriado Um Maluco no Pedaço, é uma semi-vitoriosa velocista dos Estados Unidos. Maior freguesa de Shelly-Ann Fraser-Pryce para quem sempre perde, ela é basicamente conhecida por nunca conseguir ganhar corridas, servindo apenas para as provas em equipes de revezamento onde se beneficia da categoria de suas colegas, além claro da excentricidade de criar uma vaca na sua própria casa, animal o qual ela usa para lamber seu cabelo dando-lhe seu penteado característico.

Detém o recorde de medalhas de bronze em campeonatos mundiais, sempre perdendo para a jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce de quem é freguesa.

Juventude[editar]

Carmelita jogava basquete quando moleque, inspirada pelo filme Space Jam, mas era muito ruim nisso, quando seu treinador percebeu que ela tinha como única qualidade o fato de correr pra caralho. Ele então a transferiu para a escola de atletismo, onde não precisaria estudar nem fazer qualquer coisa inteligente, apenas correr.

Assim começou os treinos, nutrindo-se dos anabolizantes que fazem o chester ficar com aquele peito bizarro, anabolizantes estes que trouxeram problemas recorrentes nas coxas da atleta, e ela ficou de fora das competições.

Carreira[editar]

Demonstrando-se uma derrotada nata e corredora secundária no meio das verdadeiras estrelas do atletismo norte-americano, Carmelita já não conseguiu classificação para as Olimpíadas de 2008 ao não se dar bem nas eliminatórias de Oregon. Frustrada, ela trocou de treinador, que deu a ela a fórmula do sucesso, que era seu penteado feito por lambida de vaca, que geraria mais aerodinâmica na hora da corrida. A estratégia deu certo, pois no Mundial de 2011 de Daocu venceu a prova dos 100 metros, algo raro em sua carreira.

Para não repetir o mesmo fiasco de 2008, Carmelita Jeter mudou de treinador e de estratégia, passando a dedicar-se às competições de revezamento, assim conseguiu participar das Olimpíadas de Londres de 2012. Dependendo agora de colegas para ajudar, ela ganhou todos ouros apenas nas provas de revezamento.