Camboriú

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!

Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Camboriú.


Cquote1.png Você quis dizer: Balneário Camboriú Cquote2.png
Google sobre Camboriú


Camboriú é uma cidadezinha de mais ou menos 60 mil habitantes, que esqueceram de desenvolver, vivem a base da agricultura, do comércio e estão engatinhando no turismo Ecológico rural, às custas de Balneario Camboriú, cidade vizinha muito mais desenvolvida.

Aspectos Gerais

Camboriú é caracterizada como cidade dormitório. Durante o dia, não se vê uma alma pelas ruas. Porém, quando chega o horário da rapaziada sair do trabalho, surge gente de tudo quanto é lado, a maioria vindos de Balneario Camboriú, único mercado de trabalho, visto a vasta rede hoteleira que a referida cidade litorânea possui, onde a atividade básica é cuspir nas bebidas e refeições e servi-las aos turistas vindos da Argentina, 115% dos que visitam o local.

Sua população é composta por: 70% de paranaenses 29% de Gaúchos e 1% de camboriuenses. A impressão é de se estar em plena cidade de Curitiba. Passar pelos bairros Monte Alegre e Santa Regina porque tem tanto paranaense, que dá impressão de estar no inferno.

Balneário Camboriú fica do outro lado.

Trata-se de uma singela cidade interiorana, marcada por conflitos políticos que duram o ano inteiro. Marca disso é que apelidam-se os derrotados na eleição como gracharim, espécie de cão do mato, que devora um canavial com muita voracidade. E os derrotados vão exilar-se no Pico da Pedra, distante cerca de 18 km de Camboriú, também conhecido como Pedra da Gurita.

A cada eleição é uma novidade. Em 2008 houve até caso de assassinato, a um parente do desafeto do candidato à reeleição. E vale até unir-se a um antigo adversário apenas para voltar ao poder.

Bairros

Este lugar esquecido é dividido pelos seguintes bairros:

- Areias: Entende-se o porque do nome ao passar pelas suas ruas...

- Cedro: Lugar meio rural meio favela, onde 70% dos morros foram abaixo a mando de empreiteiros que a maioria são vereadores ou politicos, conhecido reduto de ciganos, e onde se localiza um lugar muuito nobre chamado Inferninho Jardim Paraíso. Como a maioria dos lugares que começam por "Jardim" e tem nome enganoso, já sabem...

- Centrão: Onde fica a Prefeitura, praças, os 0,001% de ruas asfaltadas, e as praças, onde de dia se vêem coroas jogando dominó, vagabundos que não trabalham e que matam aula pernambulando e enchendo o saco, e a noite é povoada por manos e nóias. Existe uma outra praça onde se pega o busão pra roça, e à noite, além dos habituais fumetas, têm até viados se beijando...

- Conde Vila Verde: Verde só se for da ervinha do diabo mesmo, é um dos lugares mais pacíficos do Estado, e o maior feirão da dorga da região. Se sair pelado de lá, tá com sorte, de sair vivo...

- Lídia Duarte: bairro que nem seus próprios moradores sabem que moram nele, pois dizem morar no Cedro (grandes coisas...)

- MonstroMorteMonte Alegre: Lugar mais cabrero da city, reduto de paranaenses e paraíbas, onde fugitivos da polícia encontram ali seu refúgio. Os moradores sonham em emancipar o distrito... Sonham...

- Rio do Meio: 0,00001% do bairro parece ser urbano, e moram ali mais os defuntos do cemitério localizado ali do que vivos. Nem bairro é, mas quem mora ali jura que é...

- Rio Pequeno: Pequeno mesmo, mas o riachinho que parece uma vala se transforma num rio amazônico quando chove... Ali se vai para o Pico da Pedra.

- Santa Regina: loteamento Bairro mais novo, onde uma imobliliária rapidinho colocou meia duzia de paranaenses ali. Também é conhecida como a Veneza Camboriuense, pois para morar ali, é indispensável ter botes, barcos ou carros anfíbios, para os dias de chuva.

- BarrancoSão Francisco de Assis: Bairro mais tradicional, onde o que resta de população local (também fora tomado por forasteiros tão asnos quanto o povo local) teima em não acompanhar o tempo. Criam galinhas e porcos no quintal, e o sotaque é o bem típico "uix nêgo"!

- Tabuleiro: Assim como o Conde, também faz parte do distrito do Monte Alegre. Idêntica aos barirros vizinhos, com esgotos ao céu-aberto, onde o povo pode andar de barco neles qd chove... Paraiso de pátios de carros apreendidos e barracões de reciclagem. Outra boca braba...

-Varzea do Ranchinho: è bairro, mas é um Acre na cidade, praticamente non exssiste.

Pico da Pedra

Distante cerca de 18 km de Camboriú está o Pico da Pedra, também conhecido como Pedra da Gurita, um dos melhores picos para os amantes da prática do Montanhismo, e do Rappel e onde a rapaziada vai para fumar um breu longe das forças da Lei.

Para se chegar ao topo da montanha é necessário uma caminhada de aproximadamente 1:30 minutos que tem início na pedreira de extração de mármores de Congonhas em Camboriú.

No decorrer do caminho você encontrárá uma fauna e flora exuberante que resiste aos constantes crimes ambientais que vem ocorrendo na região, como a caça de paca, tatu, cutia e de virgens, bem como em virtude do desmatamento, para a extração do eucalipto, planta indicadíssima para regiões secas.

Depois da caminhada o esforço é recompensado com uma vista priveligiada do litoral Catarinense destacando-se as praias de Balneário Camboriú e Itapema, bem como suas saídas de esgoto para o mar.

Apesar da vista ser maravilhosa o que mais nos chama a atenção são as centenas de pixações existentes em todas as rochas existentes no topo da montanha, nenhuma foi poupada pela ação dos vândâlos que, em sua maioria são otários que, após seu banimento na Desciclopédia, perderam sua atividade principal, dedicando-se a crimes onde a pena é mais branda.

Camboriú promoveu ações ecológicas como reflorestamentos, faxinas ecológicas, educação ambiental e sessões de sexo tântrico, para chamar a atenção do público local, mas infelizmente as agressões continuam, devido ao limitado público feminino aproveitável para a última das atividades citadas, que foi a única a chamar alguma atenção.

Um exemplo claro desta falta de conscientização é cometido contra os grampos que são utilizados para a prática do rappel. Os mesmos são constantemente amassados ou mesmos surrupiados da rocha, dificultando assim as faxinas feitas no precipício, que possui cerca de 40 metros de altura. Tal atividade mesmo sendo muito engraçada, quando algum otário cai devido ao mau estado do suporte comprova a falta de civilidade do povo local, que geralmente mente morar em Balneário Camboriú, a fim de não passarem tanta vergonha por serem de onde são.