Bethesda Softworks

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
McdonaldsAmerica.jpg God Ble$$ De$ciclopédia!!

Este artigo é gringo! Não tente usar armas químicas de destruição em massa ou jogar aviões contra ele, Tio Sam agradece.

Cquote1.png Você quis dizer: Caras que precisam urgentemente de aulas dos caras da Naughty Dog Cquote2.png
Google sobre Bethesda Softworks

Bethesda Softworks era até pouco tempo atrás uma empresa fabricantes de videogame muito da medíocre. Mas hoje possui uma horda de fãs que não sabem que um jogo de verdade deve ter "começo, meio e fim", e não o sistema de jogos da Bethesda constituído por "começo, tédio e bug que te impede de continuar jogando". É conhecida por produzir os melhores jogos com a maior quantidade de bugs por frame quadrado da geração de consoles de PlayStation 3 e Xbox 360, sendo a única maneira que esses jogos podem ser populares é porque GameSpot e IGN dizem mentiras sobre como será épico jogar estes jogos, antes de seus lançamentos, arrebatando para a Bethesda zilhões de dólares só em pré-lançamentos, e só depois de comprados você poder descobrir que eles são uma merda completa que travam, bugam e acabam com o vosso prazer lúdico de jogar videogame.

História[editar]

Só mais um bug corriqueiro num joguinho qualquer da empresa.

A Bethesda surgiu em 1986 com a criação de Gridiron!, um jogo de futebol americano tão bom e inovador que ninguém conhece ou dá créditos para ele por ter sido o primeiro a usar física real no jogo, ou seja, você tinha que pegar o seu console do Atari, colocar embaixo do braço e sair correndo feito um trator atropelando toda tua família até fazer um touchdown no teu quintal.

The Elder Scrolls: Arena foi lançado em 1994, mesmo ano do lançamento de Donkey Kong Country, ou seja, concorrência desleal e o jogo não teve sucesso, sem contar que nesse ano Windows 95 era artigo de luxo. Mas depois disso, por não ter mais o que fazer, a Bethesda criou pelo menos uns 16 jogos da franquia The Elder Scrolls só pra passar o tempo mesmo.

O sucesso da Bethesda só veio após The Elder Scrolls IV: Oblivion que inovou tudo o que se conhecia a respeito de bugs. Até então bugs eram atravessar paredes, flutuar no ar, mas agora você podia ver pessoas sumindo, pessoas sentando no nada, cavalos voando e um monte de outras coisas divertidas e fantásticas.

Com The Elder Scrolls V: Skyrim a Bethesda inovou ainda mais, pois conseguiu fazer um jogo cujo bug impede que se conclua o jogo por deixá-lo pesado demais, e mesmo assim ganhar o prêmio de Melhor Jogo do Ano, no mesmo ano em que ganhou o prêmio de jogo mais bugado e mal desenvolvido do ano cujo arquivos de save após 40 horas de jogo começam a rodar a zero frames por segundo, ou seja, os caras da Bethesda fizeram sem a mínima preocupação o jogo.

Estilo[editar]

A Bethesda é famosa por seus jogos de mundo aberto, realismo em alpinismo, física impecável, mamutes voadores, gente que atravessa paredes e jogos que cedo ou tarde travam para sempre e matam seu computador. Não há qualquer preocupação com coisas como gráficos, dificuldade, inteligência artificial, lógica linear de história ou senso comum sobre a incapacidade que as pessoas (e mamutes) tem de desafiar a gravidade e a física de objetos sólidos. A Bethesda concentra-se apenas em fazer jogos mais bugados e repletos de erros possíveis, lançando seus jogos às pressas.

Mas pior que os desenvolvedores que trabalham na Bethesda, são os fãs alienados que gastam seu dinheiro comprando tudo dessa produtora, cujo único argumento lógico que possuem é "Quero ver você fazer um jogo melhor então", enquanto estão com seus arquivos emperrados e travados.

A Bethesda tem o péssimo hábito de lançar seus jogos na versão pré-alpha, sem a necessidade de testes ou coisas inúteis, afinal, lançar os jogos quando estiverem prontos é para os fracos.

Jogos[editar]